“Ok AUTOPOLIS, vocês estão ficando loucos de achar que ninguém conhece o Fusion, ele é vendido no Brasil!” Alguns de vocês leitores podem ter pensado isso quando leram o título desta matéria, mas não estamos falando do Fusion norte-americano, vendido no Brasil desde sua primeira geração em sua característica carroceria sedã, nos referimos ao Fusion europeu lançado em 2002. Ele surgiu anos antes do Fusion “brasileiro” pensar em existir, já que este foi lançado apenas em 2005.

[interlinks]

Tudo começou no fim dos anos 1990, quando a Ford deu início ao projeto Amazon. Este projeto daria origem ao Fiesta europeu e ao Brasileiro que, apesar de serem semelhantes mecanicamente e em terem alguns pontos em comum, eles tinham diferenças substanciais em estilo e, principalmente, qualidade de acabamento (que não era primorosa em nenhum dos dois, diga-se de passagem).

Além da dupla Fiesta, o projeto Amazon daria origem a um novo modelo que concorreria no segmento de minivans. E assim como o Fiesta se dividiu em dois modelos diferentes, esta minivan também se dividiu em duas vertentes diferentes: Fusion e EcoSport. Sim, se não bastasse o nome que causa confusão, o Fusion ainda é a versão europeia do EcoSport de primeira geração!

A lateral da dupla é praticamente a mesma, tendo inclusive os mesmos arcos de roda demarcados, entretanto o EcoSport seguiu por uma vertente ainda não explorada. Tentando tomar carona na moda dos aventureiros, o brasileiro apostou no estilo SUV, deixando um pouco de lado a vertente familiar. Esta estratégia simplesmente fez com que ele se tornasse uma sensação e, anos depois, diversos concorrentes foram criados tendo ele como inspiração. O Fusion, por ter ficado em cima do muro entre um Fiesta espichado, uma minivan e um quase-SUV, foi um fracasso em vendas.

O Fusion de produção foi mostrado pela primeira vez no Salão de Genebra em 2002 e foi anunciado pela Ford como um UAV: Urban Activity Vehicle – Veículo Urbano de Atividade, ou seja,  uma maneira diferente de chama-lo de minivan mas sem o problema de ser taxado como carro de mãe. Em sua essência, na realidade, ele não passava de um Fiesta com carroceria mais alta e com o porta-malas maior, já que seu espaço interno é idêntico ao do EcoSport. Diferentemente do SUV, a suspensão do Fusion ainda tinha a mesma altura do hatch.

Além da suspensão mais baixa, o Fusion se diferenciava do irmão brasileiro também pelo estilo de sua carroceria. Os faróis tinham praticamente o mesmo formato, mas a parte interna abrigava um esquema de luzes diferentes. O para-choque também era menos robusto, não apelando para os volumes do irmão. Na traseira a inspiração no Fiesta era evidente, já que o Fusion pegava dele suas lanternas verticais, o que deixava o visual pesado, graças ao vidro pouco inclinado. Apesar de ser um recurso polêmico, a ausência do estepe na traseira deixou o visual atrás bastante sem graça e a tampa do porta-malas visualmente muito grande, dando um aspecto de “Fiestão”.

Assim como acontecia com o EcoSport e Fiesta no Brasil, o hatch emprestava seu interior para o Fusion. Em relação à dupla nacional, os europeus contavam com um acabamento melhorado, apesar da qualidade ainda pobre. O console central apresentava botões quadrados e um rádio dividido em três porções, enquanto as portas tinham desenho totalmente diferente dos brasileiros. Apenas volante, saídas de ar, comandos do ar-condicionado e painel de instrumentos eram iguais nos modelos do outro lado do atlântico.

Apenas três anos após seu lançamento, a Ford tratou de reestilizar o Fusion. Inspirado no EcoSport, ele ganhou novos para-choques mais robustos, lanterna traseira praticamente idêntica ao Fiesta nacional e novos borrachões mais grossos. O interior também passou por uma reforma, adotando um acabamento mais refinado e coerente, mas o visual contava com os mesmos itens do Fiesta recém reestilizado. Como o jipinho brasileiro estava dando muito certo no mercado, a Ford tratou de lançar uma versão aventureira do Fusion, a Calero. Ela trazia para-choques pretos, novas rodas de liga-leve e aerofólio, mas ainda estava muito longe de um estilo SUV.

O Ford Fusion encerrou sua carreira em 2012, sendo prontamente substituído pela B-MAX, uma verdadeira minivan igualmente derivada do Fiesta. Pouco tempo depois, a segunda geração do EcoSport chegou à Europa e tomou parte do lugar ocupado pelo seu irmão já descontinuado. Além da Europa, o Fusion também foi vendido e fabricado na Índia, que hoje também produz o EcoSport.