Apesar de nossa enorme quantidade de projetos nacionais e da produção local forte, o Brasil não é conhecido por exportar seus modelos para outros países além da América Latina. Raras vezes acontece, por isso, selecionamos cinco carros brasileiros exportados para alguns países que, com exceção dos turistas e das Havaianas, provavelmente não veria algo produzido no Brasil.

[interlinks]

E nem precisa perguntar sobre a dupla Voyage e Parati exportada para os EUA como Fox e do Passat exportado para o Iraque: essas histórias todos já conhecem.

Volkswagen Fox

Quando a Volkswagen encerrou a produção do Lupo (antecessor do Up) em 2005, não havia um substituto de mesmo porte, formando um enorme buraco abaixo do Polo. A solução foi importar o brasileiríssimo Fox. Se lembrar bem, o Fox daquela época era conhecido por seu péssimo acabamento, por isso, a marca tratou de melhora-lo para os europeus, além de dar novos para-choques e itens indisponíveis por aqui. Ele foi rejeitado e saiu à francesa em 2009.

Fiat Strada / Weekend

A dupla brasileira mais conhecida na Europa pertence à família Palio. Weekend e Strada foram exportados desde sua primeira encarnação. A perua sobreviveu até 2007 ainda com o primeiro facelift, sendo substituída pela Idea. Já a Strada ganhou o mundo em todas as suas formas, tanto que hoje é vendida no México sob a marca RAM. Na Europa a Weekend foi a mais popular, enquanto na África, a Strada ganhou a preferência.

Volkswagen Golf City

Produzido no Brasil entre 2007 e 2014, Golf 4,5 foi exportado para o Canadá. Por incrível que pareça, esta reestilização mal recebida pelos brasileiros era o Volks mais barato em terras canadenses. Junto ao Bora mexicano, o Golf City, como era vendido por lá, usava motor 2.0 movido a gasolina e transmissão Tiptronic de 6 marchas. As únicas diferenças para o modelo vendido aqui eram os refletores no para-choque e as rodas.

Opel Corsa / Corsa Classic / Corsa Utility / Utility

O Brasil já produziu carros da Opel, sabia?. A família Corsa foi exportada entre 2002 e 2007 para o Oriente Médio e África do Sul como Opel. O hatch era exportado CKD e montado na África, recebendo para-choques com detalhes pretos como no Opel Corsa original. O sedã, chamado de Corsa Classic por lá, e a Montana rebatizada de Corsa Utility, saiam direto daqui. Hoje, nossa atual Montana, derivada do Agile, continua a venda como Chevrolet Utility.

Innocenti Mille / Elba / Duna / Penny

Vai me dizer que nunca viu Fiat Mille brasileiro rodando na Europa? Sabe de nada inocente (perdão pelo péssimo trocadilho). Quando a Fiat resgatou a marca Innocenti nos anos 1990, ela apelou para a família Uno brasileira. Os europeus conviveram com o nosso Mille, o sedã Premio (vendido como Duna), a perua Elba e a Elba Furgão que mudou o nome para Penny. A frente cerrada e o capô vazado pelas laterais, marcavam as diferença entre Uno deles e o nosso.