Por definição o nome SUV é utilizado para caracterizar modelos com suspensão elevada, carroceria volumosa e pretensões off-road. A sigla representa Sport Utility Vehicle, que significa Veículo Utilitário Esportivo, ou seja, um tipo de carro que mescla características de modelos diferentes de maneira equilibrada. Dentro desta seara se encontra o Peugeot 2008 THP, um SUV que está mais para esportivo do que para utilitário.

[interlinks]

Peugeot 2008 Griffe THP
» Lista de Equipamentos
» Ficha Técnica

AUTOPOLIS avaliou o Peugeot 2008 em sua versão topo de linha Griffe equipada com motor 1.6 THP e transmissão manual de seis marchas.

Leão do asfalto

O único representante realmente francês no segmento (já que o Renault Duster tem origem romena) aposta em uma formula parecida com a do Honda HR-V: exaltar seu lado urbano. Esta pequena dose de atrevimento se dá graças ao sistema Grip Control, que permite ao motorista selecionar manualmente seis modos diferentes de direção de acordo com a superfície a ser trafegada. Ele não faz milagres, mas é algo que já ajuda.

O 2008 THP ama mesmo o asfalto, e isso fica bem claro ao rodar. Ele tem uma suspensão mais firme do que o esperado nesta categoria, sendo algo próximo do Jeep Renegade. Graças a ela, o SUV da Peugeot contorna curvas com a firmeza próxima a de um hatch. Ainda assim, por conta da altura, a suspensão trabalha bem com buracos, absorvendo grande parte dos impactos sem batidas secas.

Peugeot_2008_movimento_3

Mas a suspensão não é a protagonista desta história de amor entre o 2008 e o asfalto, na realidade este papel fica a cargo do brilhante motor 1.6 THP Flex de 173 cv e 24,5 kgfm de torque. Ele tem torque farto em quase todo o tempo, sendo que a atuação do turbo começa em cerca de 1250 rpm, o que é sentido quase como um soco. Se ele não é um grande amante do barro, acredite, é uma das opções mais divertidas no segmento para se andar no asfalto. O 2008 THP também agradou no consumo: em nossos testes, com gasolina, ele marcou 16 km/l em média na estrada e saudáveis 11 km/l na cidade.

A direção elétrica progressiva não é ruim, muito pelo contrário, é rápida, tem um instigante volante pequeno, mas em certas condições é leve demais. Por ser um SUV apimentado, a direção poderia ser um pouquinho mais firme. Em compensação, o bem acertado cambio se seis marchas não lembra em nada os engates quilométricos usada nos modelos aspirados. A transmissão manual do 2008 THP é excelente, tem engates curtos e precisos e, graças à sexta marcha, na estrada a 120 km/h, as rotações ficam na faixa dos 2500 giros, deixando o passeio tranquilo.

Peugeot_2008_movimento_2

Mesmo em sexta, ele tem força suficiente para fazer uma ultrapassagem sem a necessidade de fazer reduções. Além de adorar o asfalto, o 2008 THP também gosta de cantar pneu. Em saídas um pouco mais animadas, um pouco mesmo, ele já canta pneu. Esta pequena travessura do SUV francês também é comum durante acelerações mais fortes em segunda marcha. Mas para aqueles que acham que vão cantar pneu todas as vezes, podem ficar tranquilos, acelerar com um pouco menos de vontade já evita esta ação. Em subidas, o assistente de partida em rampa entra em ação e ajuda evitar acelerações desnecessárias.

Urban look

Não é apenas no comportamento dinâmico que o Peugeot 2008 THP mostra seu viés urbano, o visual também vai nessa direção. Diferentemente de seus concorrentes, ele aposta em um estilo de hatch aventureiro, com toques de perua, algo semelhante ao que a JAC está fazendo com o T3/Refine S2. O Peugeot tem um visual elegante, fugindo dos clichês dos SUVs, que apelam para apliques pretos em excesso ou para-lamas bombados como o Renault Duster.

Peugeot_2008_estatica_3

A dianteira traz faróis com uma elegante fileira de LEDs acompanhados pelos canhões hexagonais. Na traseira, as lanternas dão um show à parte com a disposição de luzes formando o que seia o rasgo das garras de um leão. O único elemento que destoa do desenho belo do 2008 é o totalmente desnecessário calombo na parte inferior do teto, feito apenas para abrigar um gigantesco friso cromado.

Deja vú

Já entrou em um Peugeot 208? Então prepare-se para um deja vú a bordo do 2008. O interior da dupla é praticante idêntico, mudando apenas a coloração dos plásticos (azulados do hatch e em tom de marrom no SUV), manopla do freio de mão e a presença do Grip Control. Está lá o volante pequeno de ótima empunhadura, central multimídia de fácil manuseio e o gigantesco teto panorâmico.

Peugeot_2008_interior_7

O 2008 tem mais espaço para as pernas dos passageiros traseiros que seu irmão 208, podendo até mesmo abrigar três pessoas com menos aperto. Para aqueles que andam na frente desfrutarão de uma posição mais baixa dos bancos e bastante espaço, características que combinam seus lados utilitário e esportivo. O porta-malas comporta 365 litros e tem como destaque a tampa que se abre ate a base, como em uma perua. Destaque para os bancos envolventes e muito confortáveis cobertos com couro apenas nas laterais, enquanto a parte interna é em tecido com tratamento térmico.

A cabine transmite qualidade com encaixes precisos e materiais de boa aparência, mas faltam superfícies macias, algo que os líderes da categoria, HR-V e Renegade, têm a rodo. Outra falha é a falta da alça no teto (vulgo “puta-que-pariu”) para o passageiro da frente, além da ausência de um botão para desligar o ar-condicionado digital dual zone.

Peugeot_2008_interior_8

O THP, está realmente está além da beleza

Com preço de R$ 79.890 o Peugeot 2008 Griffe THP vai de encontro às versões intermediárias de seus concorrentes, com itens de versão topo de linha. Ele aposta suas fichas no visual inegavelmente belo, todavia, o que é capaz de fazer fechar a venda é seu conjunto mecânico. O 2008 THP marca falta por não contar com a transmissão automática de seis marchas utilizada no primo Citroën C4 Lounge, o qual divide o mesmo motor. Essa falha é praticamente imperdoável para consumidores na faixa dos R$ 80 mil.

Peugeot_2008_interior_11

Se você ainda aprecia um bom câmbio manual e uma tocada mais esportiva, vá de 2008 THP sem medo, ele é capaz de arrancar sorrisos como nenhum outro SUV compacto no mercado. Só se acostume a dizer que 2008 é o nome do carro, não seu ano de fabricação.

Prós e contras

Prós-e-contras-2008

Vale a pena?

Fluxograma-2008