Avaliação: Gol Rallye 2015 marca estreia do 1.6 16V na VW

Por: Renato Aspromonte | Fotos: Vandir Mazzoni, Renato Aspromonte e divulgação @ 2/04/2014, 8:17:33

Comente! Compartilhe:

share this on twitter

A Volkswagen apresentou, na última quarta-feira (26), a nova linha 2015 de Gol, Voyage e Saveiro. AUTOPOLIS esteve presente ao evento e pudemos sair de lá com uma unidade do novo Gol Rallye para avaliação.

O Rallye já é um nome conhecido entre os fãs da marca, assim como o “Cross”, utilizado na linha Fox e na própria Saveiro. Lançado em 2005, ainda na Geração 3, o Gol Rallye já contava com suspensão elevada, rodas de liga-leve diferenciadas, motor  AP 1.6 8V, além de painel e acabamento exclusivos.

volkswagen-gol-rallye-2015-traseira-4

Em 2007, com a simplificada Geração 4, a versão incorporou alguns itens que começaram fazer do Rallye aquilo que é atualmente: para-choques diferenciados com faróis auxiliares integrados, molduras nas caixas de roda e bancos personalizados. O motor passou a ser 1.6 Total Flex de 103 cv.

Em 2010, na chamada geração 5, o Rallye manteve a mesma receita, apenas acrescentando pneus de uso misto e para-choques da Saveiro Cross.

Agora, na linha 2015, o diferencial da versão deixa de ser apenas estético, para incluir também a motorização.

A alma do negócio

Se o visual é praticamente o mesmo, é debaixo do capô que o carro traz novidades. O novo Gol Rallye agora conta com o novo motor MSI 1.6 16V. Ele pertence à família EA211, mesma do 1.0 12V de três cilindros lançado recentemente no up!, e é capaz de gerar 120 cv quando abastecido com etanol e 110 cv com gasolina. Com isso, abandona o 1.6 VHT, que continuará nas outras versões do Gol, Voyage e Saveiro (exceto na Saveiro Cross).

Gol-Rallye-1.6-16V_2

Com o novo motor, a Volkswagen conseguiu diminuir o peso do conjunto em aproximadamente 15 kg, algo possível pelo uso de alumínio na fabricação do bloco e do cabeçote. O comando de válvulas é variável na admissão e o coletor de escapamento é integrado ao cabeçote, o que ajuda a acelerar o aquecimento do motor na fase fria. Outra novidade que merece destaque é o duplo circuito de arrefecimento, que permite que o bloco e o cabeçote tenham temperaturas diferentes e mais adequadas ao seu funcionamento.

Outro ponto que ganhou especial atenção da marca foi o isolamento acústico, que proporciona um rodar silencioso mesmo com o motor girando alto. Sob esse aspecto, o som do motor é agradável, mas passa longe de soar de forma esportiva como acontece com o 1.0 12V.

volkswagen-gol-rallye-2015-painel

Recentemente, avaliamos um Gol Seleção com motor 1.6 VHT e notamos que o motor, apesar de dar conta pela agilidade em baixas rotações, trabalhava um tanto quanto enforcado quando exigido, gerando ruído e um pouco de vibrações na cabine. Ao dirigir o Gol Rallye 2015, é notória a grande evolução. Equipado com o novo motor 16V, o carro ficou muito mais esperto e gostoso de dirigir. Mesmo com o torque máximo de 16,8 kgfm sendo atingido a 4 mil rpm, mais da metade dele está disponível a partir dos 2 mil rpm.

Essa entrega de torque dota o carro de agilidade, assim como o cabeote 16V faz com que ele respire mais aliviado quando está em estradas.

Upgrade

Além do motor, a transmissão automatizada I-Motion também recebeu melhorias. Com o novo software de gerenciamento eletrônico, a transmissão realiza as trocas das marchas de forma mais precisa e suave, tanto no modo automático, como no manual sequencial. Muitas vezes, este último mostra-se bem mais interessante para aproveitar melhor toda a vitalidade da nova motorização.

volkswagen-gol-rallye-2015-cambio

Pudemos, contudo, identificar pontos que ainda necessitam avanços. No modo automático, o câmbio “estica” as marchas mais baixas, fazendo com que a troca de segunda para terceira, por exemplo, demore mais tempo, o que acaba gerando desconforto no transito urbano. Outra característica que precisa ser melhorada envolve as borboletas de mudança de marcha atrás do volante, que parecem, por vezes, não reconhecer o comando dado. São detalhes que geram um descompasso entre câmbio e motor, não aproveitando o potencial do 1.6 16V a pleno.

Para quem nunca dirigiu um automatizado, o primeiro contato gera certo estranhamento. Com o tempo de convivência, contudo, é possível encontrar alguns atalhos. Se você deixar selecionado o modo manual, por exemplo, e der pequenas aliviadas no pedal do acelerador antes de engatar outra marcha, o funcionamento é muito suave, sem que o giro do motor suba demasiadamente.

volkswagen-gol-rallye-2015-volante-detalhes

Outra crítica que não podemos deixar de citar está relacionada ao engate da marcha ré. Por vezes, o sistema não reconhece seu pedido e a letra “R” no mostrador da alavanca fica piscando, enquanto, no visor do painel, aparece uma mensagem pedindo para voltar à posição “N” e repetir o procedimento. O mesmo aconteceu algumas vezes quando saímos da marcha ré para selecionar a opção “drive” (D). Nas manobras em que você precisa avançar rapidamente, diante da aproximação de outro veículo, essa dificuldade na troca das marchas seguida de constantes avisos para repetir a operação é um tanto quanto desesperador.

Gol como sempre

fluxograma_gol-02

Com novo motor e transmissão, o Gol Rallye mantém o bom nível de acabamento e equipamentos de série da versão anterior. Em termos de espaço, nada muda em relação ao Gol que já conhecemos. O destaque fica por conta do já referido isolamento acústico.

Em termos de equipamentos, não existem grandes novidades. Quase tudo o que está a bordo do Gol Rallye já é conhecido das outras versões do Gol. Destaque para o volante revestido em couro e a forração do teto em preto.

Apesar do motor mais potente, não verificamos aumento no consumo de combustível, pelo contrário, o mesmo se manteve na média entre 9 e 11 km/l, quando abastecido com etanol.

Prós e contras

fluxograma_gol-01

Não será fácil

Com a saída do chamado Gol G4, as vendas gerais do modelo caíram consideravelmente. A linha 2015 chega pra reforçar sua posição e o novo motor  MSI 1.6 16V será um grande diferencial.

Torcemos para que,  com o passar do tempo, essa novidade se alastre por toda a linha Gol, Voyage e Saveiro, considerando a superioridade do novo EA211 em relação ao VHT.

O valor oficial ainda não foi divulgado pela marca, mas se estiver interessado pelo modelo, conte em desembolsar algo próximo aos R$ 50 mil. 

Ficha Técnica

Volkswagen Gol Rallye 2015

Motor: dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 1.598 cm³ (1.6L), quatro válvulas por cilindro, Injeção eletrônica multiponto com sistema E-Flex de partida a frio (sem tanquinho)
Combustível: gasolina/álcool (flex)
Potência: 120 cv (etanol), 110 cv (gasolina) a 5.750 rpm
Torque: 16,8 kgfm (etanol), 15,8 kgfm (gasolina) a 4.000 rpm
Taxa de compressão: 11,5:1.
Transmissão: Automatizado, cinco marchas à frente, acionamento eletro-hidráulico.
Tração: dianteira
Suspensão dianteira: Independente McPherson com barra estabilizadora e molas helicoidais
Suspensão traseira: Interdependente. Com braço longitudinal e mola helicoidal
Pneus: 195/50 R16
Freios: Duplo circuito hidráulico em diagonal, servofreio a vácuo ABS com EBD
Freio dianteiro: Disco ventilado, diâmetro de 280 mm
Freio traseiro: Tambor, diâmetro de 200 mm.
Carroceria: Cinco portas tipo hatchback 
Comprimento (mm): 3.924
Largura (mm): 1.659
Altura (mm): 1.464
Distância entre eixos (mm): 2.467
Tanque (l): 55
Peso (kg): 1052
Carga útil (kg): 398
Capacidade do porta-malas (l): 285
Velocidade máxima (km/h): 184 (gasolina) e 190 (etanol) (dado do fabricante)
Aceleração de 0 a 100 km/h: 10s (dado do fabricante)

Participe com seus comentários!
«
»
Ford Fiesta ST
Jeep mostra teaser de Cherokee e Wrangler em versões especiais
Tags
PageRank